Os benefícios da aromaterapia





Óleos essenciais usados na aromaterapia
Devido à correria e aos problemas da vida moderna, é comum nos sentirmos estressados ou ansiosos. Para tratar tais problemas ou doenças graves, uma ótima alternativa é a aromaterapia, que atua como um tratamento complementar e utiliza óleos essenciais extraídos de plantas aromáticas. A terapia traz diversos benefícios ao paciente e melhora a vida de pessoas com patologias como o Mal de Alzheimer ou o câncer.
A aromaterapia é derivada da fitoterapia, um tratamento de doenças mediante o uso de plantas. "Na Antiguidade os óleos já eram usados em tratamentos, mas em 1922 o papa da época baixou um decreto relegando o uso de óleos, que foram considerados apenas perfumaria por muitos anos. De 1928 a 1937 a aromaterapia foi redescoberta pelo químico francês Rene-Maurice Gattefosse e voltou a ser estudada", conta a psicóloga e aromatóloga Sâmia Maluf, proprietária da By Sâmia Aromaterapia.
"A aromaterapia é um tratamento que utiliza óleos essenciais destilados das plantas e que causam o bem-estar físico, mental e emocional", explica Sâmia. "Ela ainda não tem conotação clínica no Brasil, mas é usada como terapia complementar e medicina integrativa. No tratamento são usados os óleos essenciais, que provém de plantas aromáticas (a partir de folhas, frutos, raiz), sendo que cada óleo possui um princípio ativo. Traz diversos benefícios e bem-estar ao paciente e trabalha o indivíduo como um todo", esclarece Márcia Cristina Oliveira Fernandes, professora do curso de Naturologia da Universidade Anhembi Morumbi.
Na Europa e nos Estados Unidos a aromaterapia já é considerada parte da medicina, mas no Brasil ainda não é reconhecida desta forma, e sim como um tratamento complementar à medicina tradicional. "Uma grande vantagem é que o tratamento não tem efeitos colaterais, são poucas contraindicações. É uma medicina holística", afirma Sâmia. "Mas é importante procurar um profissional habilitado, que vai fazer uma boa anamnese (avaliação). Precisamos analisar se o paciente já teve, por exemplo, convulsão ou problema renal. São alguns dos poucos casos em que a aromaterapia é contraindicada", comenta Márcia.
O tratamento através da aromaterapia é natural. "Em casos de depressão, o médico passa um antidepressivo. Já o naturólogo usa o óleo essencial que traz o mesmo resultado do remédio, e seu uso vai estimular a endorfina e a serotonina. Em alguns casos, como de ansiedade, o paciente apresenta melhoras já na primeira sessão", conta Márcia.
A aromaterapia traz diversos benefícios. "É usada como um preventivo na maioria das doenças e é também um tratamento para alguns problemas mentais, contra dores, para aliviar sintomas de estresse e ansiedade, e muito mais. Porém, ainda há muitas pesquisas que revelam novos benefícios. A aromaterapia é considerada uma ciência muito nova", avisa Sâmia. "O tratamento traz bem-estar, relaxamento e é energizante. Trata depressão, dores musculares, cansaço físico, acalma a pele para tratamentos dermatológicos, entre outros", ressalta Márcia.
"Através da aromaterapia, é possível tratar um amplo espectro de patologias. Desde tratamentos capilares, como queda de cabelo, além de acnes e também a parte estética, como celulite e gordura localizada. Além disso, é usada para tratamentos em animais, contra pulga, carrapato e para tratar feridas, e também em plantas, para combater pragas de jardim", comenta Sâmia. "Os óleos podem tratar qualquer órgão do indivíduo, além dos sistemas circulatório, gástrico, além de depressão, de elevar o sistema imunológico e muito mais", avisa Márcia.
Existem várias formas de aplicação dos óleos essenciais, compressas, inalação e massagem são algumas delas. "Cada problema pede uma aplicação. Por exemplo, para gordura localizada é melhor uma massagem ou um banho com os óleos essenciais do que o tratamento com a inalação", explica Sâmia. "De acordo com a composição química do óleo, ele atua no sistema límbico e passa uma mensagem para o cérebro, que traz resultados positivos. É como se o paciente tomasse uma medicação", ressalta Márcia.
Além disso, a aromaterapia pode auxiliar o tratamento de doenças graves. "No Mal de Alzheimer, por exemplo, a pessoa fica desvinculada da vida, então a aromaterapia vai trazer uma reconexão espiritual ao paciente. Já nos casos de câncer há várias restrições e a terapia não vai curar o tumor, mas acarreta uma alteração psicológica que melhora o bem-estar do doente, o que vai ajudá-lo a encarar o tratamento da medicina tradicional com mais qualidade", esclarece Márcia. "A aromaterapia atinge as áreas emocional e mental. Além disso, trata patologias agregadas, como queda de cabelo e dor de estômago", avisa Sâmia.
"O paciente com Mal de Alzheimer tem surtos de agressividade ou de irritabilidade. Os óleos essenciais sedam o sistema nervoso central e acalmam o doente, além de ser um ótimo indutor do sono. A aromaterapia serve para complementar os tratamentos tradicionais", explica Sâmia. "O mais importante é cuidar do bem-estar do paciente. Afinal, é a doença emocional que gera a doença física ou é a doença física que causa a doença emocional?", questiona Márcia.
Por Loreta Fagionato - Equipe BBel


Comente:

Nenhum comentário

Comente com educação