Adote seis atitudes e encare os problemas sem estresse





Enxergar todo e qualquer problema como crise é fazer tempestade em copo-d'água. E segundo o coach executivo Carlos Alecrim, CEO do ICCoaching, de São Paulo, esse não é o comportamento de uma pessoa de sucesso. "O ser humano bem-sucedido consegue posicionar diante da vida com positivismo, bom senso e segurança. Problemas todos nós os temos, o que nos difere é a forma como interpretamos os fatos", diz.

O psicólogo clínico e psicoterapeuta pela Universidade de São Paulo Marco Antonio De Tommaso explica que quem faz muito barulho por nada em geral sofre de algum transtorno de ansiedade. "A pessoa sente que está à beira de um abismo e que a qualquer momento pode cair. É um estado de estresse que a faz enxergar a tudo e a todos como ameaças", diz.

Com isso, o menor probleminha pode ser a gota-d'água e disparar em seu organismo alguma reação de pavor. O coração dispara, as mãos suam, a respiração fica ofegante e o sangue sobe. "Por isso, é muito importante que procuremos conhecer nossas capacidades e fragilidades reais. Isso evita que, ao enfrentarmos um problema, percamos totalmente a noção de sua gravidade", diz Tommaso.

Adote seis atitudes e pare de fazer uma tempestade em copo d'água:

Faça as pazes com a imperfeição
A busca pelo erro zero leva a uma obsessão permanente por resultados. Ao vermos o "erro", perdemos a chance de ser gentis, de exercitar a paciência, de respeitar a diferença e daí vêm as tempestades. A estratégia para vencer esse comportamento é começar a enxergar o que há de bom em si mesmo, nos outros e na vida. Lembre-se: trata-se de um exercício constante.

Observe seus pensamentos
O pensamento negativo é como uma bola de neve. Você começa a prestar atenção demais no ruim, no problema e na falta e, quando menos percebe, já está se sentindo pequenina, engessada, incapaz de resolver tudo. A solução é acordar para o que está acontecendo em sua mente antes da imensa bola se formar, quanto mais rápido você interromper o ciclo, melhor. Diga para si mesma: "Não vou dar continuidade a isso. É hora de resolver uma questão por vez".
 
Faça uma lista de prioridades
Se você morresse amanhã, sua caixa de entrada continuaria cheia, sua mesa lotada de papéis e sua conta bancária no vermelho. Viver não é cumprir tarefas, reveja o que é mais importante para você e que atenção tem dado a si mesma, a sua família, aos amigos e ao amor. Sempre haverá tarefas a cumprir. Independentemente de quem seja ou do que você faça, nada é mais importante do que ser feliz.

Desenvolva a complacência
Coloque-se no lugar do outro, seja simpático à dificuldade dele em vez de perder totalmente a paciência. Levou uma fechada no trânsito? Sorria e siga em frente. Todas nós temos calcanhares-de-aquiles e é terrível quando alguém pisa exatamente neles. Troque a irritação pela paciência e a agressividade pela compaixão.

Deixe a glória para os outros
Quando vivemos em busca de aprovação e elogios, nunca temos paz e sucumbimos à menor crítica. Faça sua parte da melhor maneira, mas não viva em função do mérito. É muito melhor ser reconhecida quando você menos espera do que viver frustrações pela falta de aprovação.

Estar sempre certa ou ser feliz?
Quando defendemos obsessivamente nossas opiniões e queremos a todo custo convencer os outros de que estamos certas gastamos muita energia mental e, quase sempre, afastamos as pessoas. Abra-se para opiniões novas e diferentes, é um erro achar que só existe uma maneira de fazer as coisas. Deixe que cada pessoa pense como quiser e só dê sua opinião se for solicitada, evite a discórdia.

Resista à necessidade de criticar
Quando censuramos os outros não são seus defeitos que estamos denunciando e sim o nosso: o de ser extremamente intransigente. Não passe recibo desse mau hábito. A menos que lhe traga algum prejuízo direto, guarde para si mesma o descontentamento com a atitude alheia. Procure educar usando o exemplo.

Fonte: "Não Faça Tempestade em Copo-d'Água - Maneiras simples de impedir que coisas insignificantes dominem sua vida", de Richard Carlson.

Comente:

Nenhum comentário

Comente com educação