Florais de Bach






Quantas vezes você já olhou para dentro de si mesma e estranhou a pessoa que encontrou? Em quantas situações questionou se a atitude que tomou foi a melhor para você ou a melhor aceita pelo seu círculo social?

Quem de nós já não se esforçou para sufocar algum sentimento, por maior que fosse a necessidade de libertá-lo? Conflitos como este são muito comuns. A pressão que exercemos sobre nós mesmas e os padrões impostos pela sociedade e tidos como verdades absolutas nos afastam cada vez mais da nossa verdadeira personalidade e essência.

É como se, com o passar do tempo, nossa mente fosse condicionada a agir de determinada maneira e a reprimir alguns sentimentos e características pessoais. Lidar com as emoções, sobretudo as negativas, não é uma tarefa fácil. Para Edward Bach, criador da terapia floral que leva seu sobrenome (florais de Bach), os problemas psicológicos e físicos são resultado de conflitos entre a alma, que é a parte mais pura do nosso ser, e da nossa personalidade, aquilo que somos no dia-a-dia.

Em suma, Bach já buscava um tratamento das enfermidades a partir da visão holística do ser humano. Ele considerava que, para ser efetivo, o método precisava cuidar do doente e não da doença. "Costumo dizer aos meus pacientes que floral não é aspirina emocional: tomou, passou. Os florais não vão tratar a dor, mas sim agir no ponto que está levando a pessoa a desenvolver aquele problema. É um tratamento abrangente e, portanto, o resultado pode não ser imediato", diz a terapeuta floral Ana Elisa C. Nery.

Ela conta que a maioria das pessoas que recorre à técnica tem dificuldades em lidar com sentimentos. Depressão, insônia, síndrome do pânico, compulsão alimentar, gastrite e outras doenças que têm ligação direta com o emocional são as queixas mais freqüentes.

A terapia, reconhecida desde 1976 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), não possui contra-indicações e pode ser utilizada por qualquer pessoa que acredite ser o equilíbrio psicológico um poderoso aliado na cura do corpo.

"Floral não é aspirina emocional. Não trata a dor mas sim o ponto que está levando a pessoa a desenvolver o problema."

HÁBITO DOS POVOS ANTIGOS
A utilização de plantas e flores no tratamento do ser humano é muito antiga. Algumas pesquisas apontam que povos que viveram antes de Cristo já usavam este artifício para beneficiar a saúde. Também os antigos egípcios, africanos e malaios faziam o uso terapêutico das flores no combate aos desequilíbrios emocionais. Mas foi Edward Bach, um inglês nascido em 1886, quem estudou e fundamentou a terapia floral. Esse renomado bacteriologista percebeu que um estado de espírito desarmonioso fazia do paciente uma presa fácil para as enfermidades. Ele não se conformava com os métodos invasivos e os efeitos colaterais causados pela medicina tradicional.

CONHEÇA OS GRUPOS DE PERSONALIDADES
Pensando em facilitar o uso dos medicamentos a partir da sua idéia de tratar o temperamento, Bach agrupou os florais em sete categorias, relativas ao estado emocional geral do paciente:

Desalento e desespero
Essências: Crab Apple, Elm, Larch, Oak, Pine, Star of Bethlehem, Sweet Chestnut e Willow.
Características da paciente: Márcia explica que essas pessoas não possuem autoconfiança e energia de atuação. Muitas vezes apresentam uma tristeza profunda, sensação de incapacidade e dificuldade de enfrentar desafios.
Ação dos florais: Mostrar que a paciente é capaz e que pode se sair bem em suas tarefas, desde que se esforce e acredite em si. Torná-la consciente de suas virtudes.

Incerteza e insegurança
Essências: Cerato, Gentian, Scleranthus, Gorse, Hornbeam e Wild Oat.
Características da paciente: As pessoas desse grupo têm a mania de procurar a opinião de outras antes de tomar decisões. Querem que apontem em seu lugar o que é certo e o que é errado. Jovens na fase pré-vestibular se enquadram no grupo devido às incertezas que rodeiam a escolha da profissão.
Ação dos florais: Trabalhar a segurança, a intuição e a valorização das idéias próprias.

Medo
Essências: Aspen, Cherry Plum, Mimulus, Red Chestnut e Rock Rose.
Características da paciente: "O medo pode ser proveniente de algo que pode vir a acontecer consigo mesma ou com as pessoas queridas", diz Márcia. Algumas vezes nem a própria paciente sabe distinguir o que teme, por isso demonstra angústia.
Ação dos florais: Desenvolver a coragem, a fé, a autoconfiança, a quietude e a racionalidade.

Solidão
Essências: Heather, Impatiens e Water Violet.
Características da paciente: Márcia ressalta que todos nós precisamos, às vezes, ser um pouco nós mesmas. Porém, isolar-se completamente é prejudicial ao processo de crescimento e de autoconhecimento. A pessoa que pertence a esse grupo pode tanto sentir-se mal em meio aos demais, quanto simplesmente gostar de ser só. Ambas características são negativas.
Ação dos florais: Auxiliar no entendimento da importância das relações interpessoais e na riqueza de aprendizado que elas nos proporcionam. Ajudar a lidar com o outro em várias situações mantendo também sua individualidade. Ninguém pode ser sozinho o tempo todo.

Hipersensibilidade a influências externas
Essências: Agrimony, Centaury, Holly e Waknut.
Características da paciente: Todas nós, segundo Márcia, estamos incluídas nesse grupo, pois existe sempre algo ou alguém que pode interferir em nossas escolhas. Mas as pessoas desse grupo tendem a mudar de opinião e serem facilmente corrompidas, deixando seus interesses de lado.
Ação dos florais: Proteger a individualidade. Procuram desenvolver a capacidade individual, não se subjulgar pelo externo e ser verdadeira consigo mesma.

Falta de interesse pelas circunstâncias atuais
Essências: Chestnut Bud, Clematis, Honeysuckle, Mustard, Olive, White Chestnut e Wild Rose.
Características da paciente: É desprovida da idéia de que o presente é o momento mais importante. Está presa no passado ou se preocupa demais com o futuro. É pessoa apática, desconectada do atual.
Ação dos florais: Mostrar que o momento que ela precisa viver é agora. Agir no seu entusiasmo e na necessidade de fazer o melhor para si.

Fixação com o bem-estar alheio
Essências: Chicory, Vervain, Vine e Beech.
Características da paciente: "Este é o grupo das controladoras, perfeccionistas e das personalidades mais fortes, que por trás da sua preocupação escondem, na verdade, uma vontade muito grande de fazer prevalecer suas idéias e vontades" explica a terapeuta.
Ação dos florais: Desenvolver a tolerância, dissolver o egoísmo, a rigidez e a necessidade de ser sempre considerada como exemplo.

ESTADO DE ALERTA
Além das 38 essências citadas, Bach também desenvolveu uma composição floral para ser usada nos casos emergenciais. Uniu 5 essências (Star of Bethlehem, Rock Rose, Impatiens, Cherry Plum, Clematis) e formou o que levou o nome de Rescue Remedy. Indicado para situações extremas como grande tensão, perdas, acidentes, pós-cirúrgicos, exames e entrevistas de emprego, o composto traz calma, equilíbrio e clareza mental. Seu uso não deve ser contínuo, pois ele não age na prioridade emocional do paciente, mas no panorama geral. "O Rescue é como a ambulância que encaminha a paciente ao tratamento propriamente dito. Em casos extremos o paciente pode utilizá-lo até que possa passar por um especialista que indique como tratar o problema", diz Márcia.

Publicado em 15/09/09 e revisto em 12/04/17

Comente:

Nenhum comentário

Comente com educação